Mensagem do Presidente

SPORT CLUB MACKENZIE – Conversa com o Presidente

OS DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

  • Eugênio Bastos

Com 37 anos de magistério, quase todos dedicados a turmas preparatórias para concursos militares e vestibulares, acumulei experiência suficiente para fazer um “raio x” da educação em nosso país.
Atualmente está muito mais difícil para um professor exercer a profissão, não só por existirem mais alunos, mas por não terem foco, sem objetivos na vida, mal educados e sem o mínimo de respeito com os profissionais de ensino, seja do servente, ao professor, até o diretor.

Muitos alunos (não todos), não cumprem as normas, não registram a matéria dada nos cadernos, não tiram dúvidas, não fazem os exercícios, não estudam, nem mesmo para as avaliações e quando chega ao final do ano letivo culpam o professor pela ‘recuperação’ ou reprovação. Sem assumir a responsabilidade do seu insucesso.
Em muitas instituições de ensino os alunos são aprovados com maior facilidade, em razão das inúmeras estratégias que mascaram a falta de aprendizado.
Em várias redes privadas de ensino, o aluno virou cliente, como se fosse o comprador de uma mercadoria e estas instituições de ensino, vendem a educação, dentro do princípio que o cliente tem sempre razão. Para inúmeros responsáveis, o que interessa no final do ano é o resultado e não o que o filho aprendeu ou deixou de aprender. Muitos responsáveis não acompanham, não cobram os seus filhos no processo educacional e na eficiência nos estudos.

Os professores em sala de aula são verdadeiros mártires, ou seja, heróis esquecidos pela sociedade. São vigiados o tempo todo, seja pelo patrulhamento ideológico, pela relação de afetividade que possua com as turmas e até mesmo através das suas metodologias de ensino.
Em muitas escolas, o que vale hoje é a aula show, onde é enaltecido aquele professor brincalhão, que faz as turmas rirem, que não cobra muito, que está sempre dando um pontinho ou um trabalho para ajudar na nota. Esse é o professor top para muitos alunos, porém, muitos se esquecem que num concurso o que é avaliado é o conhecimento.
Uma educação inclusiva é aquela em que o educador tem a capacidade de estimular através se várias metodologias o interesse do aluno pelos estudos, levando o mesmo a desenvolver um senso crítico, a debater os assuntos de seu maior interesse e buscar o conhecimento, como alicerce indispensável para se tornar um bom profissional.A educação inclusiva deve abrir oportunidades para todos os segmentos da sociedade, sendo a escola a porta aberta para um futuro promissor.
O processo educacional no Brasil está na contramão das verdadeiras necessidades do país, pois carecemos de profissionais qualificados, de laboratórios e centros tecnológicos.
Determinadas universidades privadas são verdadeiras fábricas de diplomas, pois até o acesso às mesmas é facilitado através de vestibulares agendados, fáceis etc.
É preciso repensar a educação no Brasil.

 

PROFESSOR EUGENIO BASTOS – FORMADO PELA UFF

Presidente do SPORT CLUB MACKENZIE